sábado, 12 de fevereiro de 2011

Mergulho suave no mar das sensações

Eu sentei no alto do penhasco
E repousei meus olhos sobre o infinito
Permiti que minha alma saísse do corpo
Como poucos permitem ou sabem permitir
Planou por vários segundos sobre o rio
Tênue rio que cercava o vale
Meu coração, sempre rebelde
Retumbava, revoltante revoltado
Por outro lado, era isso que me fazia sentir ainda viva
Viva carne, viva alma
Com um olhar cheio de calma, forrei a paisagem
Minha alma, reinstalada, calou-se
Meu coração diminuiu sua marcha
Levantei-me grata a um Deus qualquer
Que me abraçou naquele instante.


3 comentários: